Promotora imobiliária chega a Portugal para investir 60 milhões €

Uma nova promotora imobiliária chega a Portugal para investir 60 milhões de euros em seis projectos residenciais que se vão localizar em Lisboa e no Estoril. Trata-se da Estoril Real Estate e tem como objectivo desenvolver projectos dirigidos ao segmento premium e resultantes de intervenções de reabilitação urbana. Os empreendimentos totalizam uma oferta combinada de cerca de 130 apartamentos e uma área agregada de aproximadamente 20.000 m2.

Em Lisboa os projectos vão ser desenvolvidos em zonas centrais e tradicionais como a Graça, Cais do Sodré/Mercado da Ribeira, Príncipe Real e Avenidas Novas. Os empreendimentos António Augusto de Aguiar 84, Duque de Loulé 42, Boavista 62, Contreiras Palace e Graça Terraces. No Monte Estoril vai ser desenvolvido o projecto Vila Montrose.

Os três primeiros projectos deverão iniciar construção ainda este mês , prevendo-se que os trabalhos construtivos nos restantes edifícios arranquem até final do ano. Além da oferta residencial e de estacionamento (num total de 165 lugares), alguns dos empreendimentos integram ainda uma componente de comércio de rua.

Criada há cerca de um ano, a Estoril Real Estate está já a estudar novas oportunidades para aquisição de edifícios localizados em zonas centrais de Lisboa, Porto e linha do Estoril e Cascais e pretende posicionar-se como promotor de referência no desenvolvimento de produtos imobiliários premium nos segmentos habitacional e comercial, com uma estratégia de longo-prazo para o mercado nacional.

Segundo a administração da Estoril Real Estate, o mercado português de habitação tem registado uma evolução notável, contribuindo decisivamente para o requalificação dos centros das principais cidades portuguesas. “Acreditamos que não é um contexto conjuntural e que estão a ser criadas as bases para um desenvolvimento bem estruturado e sustentado deste sector, razão pela qual temos uma visão de longo-prazo para o mercado que assenta na criação de uma plataforma líder de investimento no imobiliário português”, salientam.

FONTE:DIÁRIO IMOBILIÁRIO